Palavra do Presidente

Compromisso com Alagoas

Pedro Robério de Melo Nogueira – Presidente

O compromisso com o desenvolvimento de Alagoas é a principal bandeira dos que integram o Pólo Agroindustrial Canavieiro de Alagoas.

Assegurar a Alagoas e aos alagoanos o importante espaço nacional na produção de cana, açúcar e álcool, confere as nossas 28 unidades produtoras, seus dirigentes, seus mais de 110 mil funcionários e seus 12 mil fornecedores de canas, o coroamento desse esforço.

Enfrentar as adversidades climáticas constantes, as insuperáveis e adversas condições do solo e topografia e, mesmo assim, manter viva uma cadeia produtiva que envolve, não somente às usinas e destilarias, mas, as empresas fornecedoras de insumos e de serviços e as pequenas empresas que as rodeiam, traduz a melhor afirmação de um compromisso com os demais setores econômicos do Estado.

A determinação por produzir cada vez mais alinhada com a manutenção de diversas ações sociais representadas pela manutenção de mais de 20 mil alunos em curso de alfabetização e do 1º grau, de dezenas de ambulatórios e creches, da contratação de cerca de 500 portadores de deficiência e na aplicação anual de R$ 12 milhões em ações sociais, ratifica, de forma inexorável, a responsabilidade pelo social abraçada pelo setor.

Ademais, preservar o meio ambiente através da recuperação de áreas degradadas, da proteção de matas ciliares, das nascentes, de rios e lagoas é um forte compromisso que vem sendo reiterado pelo setor sucroalcooleiro alagoano através do IPMA – Instituto para a Preservação da Mata Atlântica, gestor de uma área de preservação de 60 mil hectares, além do treinamento e do plantio anual de 500 mil mudas de árvores para reposição florestal.

Na parceria com a Universidade Federal de Alagoas demonstra-se a busca científica pelo progresso, através do programa de pesquisa genética das variedades de canas.

Mas, o cotidiano da produção canavieira de Alagoas é recheado de desafios a serem continuamente superados. Na esfera internacional a necessidade de eliminação das barreiras que impedem a comercialização dos nossos produtos nos países desenvolvidos. No mercado interno a ausência de mecanismos públicos que possibilitem a formação de estoques estratégicos fundamentais numa atividade agrícola sazonal. No ambiente fiscal a elevada carga de ICMS incidente sobre o álcool e a sua desuniformização de alíquotas em vários estados produtores, situação potencializada na produção alcooleira alagoana, nos impossibilita de competir com a produção desonerada de imposto estadual oriunda dos estados de Pernambuco e Paraíba, nossos vizinhos produtores e com a produção excedente oriunda de São Paulo, que possui uma menor carga do imposto estadual.

Contudo, a tarefa de produzir mais e de forma mais competitiva toma conta dos que fazem esse setor que abraçam o lema “ o açúcar e o álcool desenvolvendo Alagoas” , compromisso corporativo permanente nesses 60 anos de existência do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Alagoas.