Notícias

Etanol: entidades do setor sucroenergético do NE e governo discutem saídas para impasse

A decisão do Governo Federal de ampliar para 750 milhões de litros a cota de importação do etanol, com isenção de tarifa, conforme a Portaria nº 547, do Ministério da Economia, publicada em edição extra do Diário Oficial da União do dia 31 de agosto, não foi bem recebida pelas entidades da agroindústria canavieira da região Nordeste.

Dados da Associação de Produtores de Açúcar, Etanol e Bionergia – Novabio, apontam que a nova cota de importação representa 36% da produção de etanol de toda a região Nordeste.
Para tentar encontrar uma saída para o impasse criado pela decisão do Governo Federal, os presidentes do Sindaçúcar-PE, Renato Cunha e do Sindaçúcar-AL, Pedro Robério Nogueira, respectivamente, presidente e vice-presidente da Novabio, participaram, esta semana, em Brasília, de uma audiência com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina e demais integrantes do Ministério da Economia.
“A portaria não pode ser revogada. Essa decisão tem um efeito devastador no Nordeste”, afirmou Pedro Robério, declarando que o próximo passo é tentar encontrar uma saída para contornar o problema.
Segundo ele, os representantes do governo informaram que será limitado a 2,5 milhões de litros a importação por CNPJ por trimestre. “Isso dá cadência para os 187 milhões de litros por trimestre. Cada importador e cada CNPJ só pode ter, no máximo, 2,5 milhões de litros. O que dividido, resultaria em 70 importadores. É uma solução meia boca. Afinal, no sistema primeiro trimestre, já está quase todo tomado. Grupos grandes têm vários CNPJ. O Brasil deu uma nova cota em troca só de promessas. No presente, nós é que estamos concedemos e a promessa deles e de futuro.
Começamos uma safra agora. Os 750 milhões de litro da cota correspondem a 36% da produção do Nordeste e 6% do Centro/Sul. A medida, no Nordeste, faz estrago e no Centro/Sul faz apenas cocegas”, desabafou o dirigente do setor sucroenergético alagoano.

Propostas
Já que a portaria não pode ser revogada, foi apresentada na reunião a contraproposta de que a região Nordeste receba apenas 6% do etanol importado e o Centro/Sul os 94% restante.
Outro ponto levantado foi o da isenção de taxas só prevalecer, no volume que for destinado ao Nordeste, durante o período da entressafra da cana (junho, julho e agosto). “O Brasil é o concedente e pode impor regras. Ficaram de fazer uma consulta sobre as propostas apresentadas e dar uma resposta na próxima semana”, declarou Pedro Robério Nogueira.

Esta entrada foi publicada em Notícias. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Faça seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>